quarta-feira, 29 de abril de 2009

Lista: As 20 piores bandas de todos os tempos

Tirei essa lista de um texto que fiz pra revista Omelete Marginal (www.iu.art.br) ano passado. Às mais de 3 pessoas que acessam esse blog, peço ATENÇÃO: A lista é a pura expressão da verdade, e não é questão de opinião.

1- Nickelback (Disparado)
2- Simply Red (Uma vez o vocalista dessa banda foi abordado num hotel com a pergunta: “Você é vocalista daquela banda, Simply Red, né?” Ao responder que sim, levou um soco na cara. Gostaria muito de apertar a mão do jovem que fez isso. Evitar violência tem limite)
3 – Pink Floyd (Bebês chorando ao fundo, discos sincronizados com filmes de merda, shows em lugares sagrados, muita energia, muita vibe e muita conjunção astral pra suportar toda a carga cafona dos arranjos. A Paulo-Coelhice era tanta que foi preciso outra banda escrota pra chutar o pau da barraca, que é o meu quarto lugar...)
4 – Sex Pistols (A primeira boy band da história. Algum artista homossexual juntou uns bêbados pra cuspir no palco e xingar alvos fáceis como a Rainha e pronto: as melhores camisas e broches do rock estavam prontos. Pena que ninguém prestou muita atenção nos discos. Mas o importante acho que era a rebeldia)
5 – The Cure (Sem comentários)
6 – The Smiths (Fecha essa camisa, rapaz. Ou será que esse é o do Simple Minds? Sei lá, bota Smiths e Simple Minds aí juntos, é a mesma coisa e só inglês e paulista gosta, mesmo)
7 – The Who
8 – Kaiser Chiefs (Pra quem acha que só por que são ingleses e se vestem com roupa justinha são cult, o Kaiser Chiefs é uma espécie de Jota Quest britânico, daquelas bandas que você só pode gostar sem contar pra ninguém)
9- Coldplay (Belo falsete. Belo falsete de novo. Hm…. de novo. Ok, rapaz, já deu pra entender que você é triste e sensível, agora vou trocar de CD)
10- U2 (Bono representa o que há de pior não só na música, mas na humanidade. A vaidade deixou o campo dos óculos e gel no cabelo, a megalomania ultrapassou os palcos imensos e com iluminação cheia de novidades tecnológicas. Ele decidiu conversar com o Papa e com o Presidente dos Estados Unidos pelo fim da dívida dos países pobres. Nada mais triste do que o desespero de um senhor para escrever o nome na história – do pop.
11- Travis
12- Foo Fighters
13- Counting Crows (Não sou uma pessoa religiosa, mas às vezes olho para o céu e peço uma oportunidade do destino para jogar um pedregulho na cabeça do rapaz que canta nessa banda. Tenho certeza que Deus, a sociedade e a própria família do vocalista iriam entender)
14- New Radicals (É a do clipe com adolescentes se rebelando no shopping, fazendo o que querem e mostrando aos adultos malvados de terno que o mundo é divertido)
15- The Calling (Alguns gostam de acreditar que tudo é relativo, questão de gosto. O The Calling teve o importante papel de mostrar que o lixo pode ser absoluto e inquestionável)
16- Simple Plan
17- Yellow Card (Essa é uma meio emo, só que tem um violino. Nunca ouvi, mas nem precisa, pra saber que é uma merda)
18- Blink 182
19- Smashing Pumpkins
(Emo disfarçado de grunge. Sou capaz de dar uns trocados pra um jovem comprar uma pedra de crack e calar sua abstinência, mas jamais pra comprar um CD do Smashing Pumpkings. A gente tem que traçar o limite em algum lugar)
20- UB40 (Dessa eu só ouvi metade de uma música há muitos anos atrás, mas foi o suficiente).

*Alguns podem ter sentido a falta dos Engenheiros do Hawaii, Legião Urbana, Pato Fu e Cidade Negra nas listas, mas a participação desses imortais do terror musical seria injusto com os outros participantes, como colocar Pelé em uma pesquisa de melhores jogadores de futebol. O famoso hors concours.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Guilty Sleep

Esse ano deve sair um disco novo do Ócio. O nome deve ser "Guilty Beat", e essa é uma das letras, "Guilty Sleep". Já foi gravada já, ainda com o Patrick na batéra, no Sonic Spell Studio, em Londres, pelo John (ele tem um sobrenome japonês que não vou me dar ao trabalho de conferir como se escreve), mas ainda falta mixagem adicional.
O disco ainda deve ter outras duas músicas gravadas com o Patrick, "Overmotivated" e "Oh Well", e o resto com a Jaana. Se o disco fosse uma foto da banda, ia pegar o exato momento do Patrick saindo e a Jaana entrando, um com um pé fora e a outra com um pé dentro.
Essa música aí fiz com Chuck na época em que a gente fazia música juntos, e fiz a letra depois. Já tocamos ao vivo várias vezes, no site do Ócio tem um vídeo caseirinho da gente tocando ela no Camden Barfly, em Londres:
www.ociorock.com .

GUILTY SLEEP
(Furlan / Chuck)


I feel the ground, the ground is my place
I hit the ground, it’s right on my face…
Who wanna smile, but the lips won’t move?
Who realised they’re not that good?
Who’s so relaxed lying in the mud?
And still keeping the same perfume?

I feel the ground, the ground is my place
I hit the ground, it’s right on my face…

They will let us drown
But who’ll complain about fate?
Oh, let’s all complain about fate…

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Como Seduzir no Ambiente Hospitalar (parte I)

Em 2005 fomos lançar a Quase #5 num festival tão horroroso em Belo Horizonte, que nem lembro o nome (não tô falando fo FIQ, o FIQ é massa).

Um panorama geral desse pesadelo vai sair na Quase #12, que tem uma restrospectiva no editorial desses 6 anos de revista. Mas esquecemos de escrever nesse editorial saudosista é que no tal festival, pra piorar o pesadelo, o Raul passou mal no último dia, e eu e o Juliano tivemos que levar a mala aos vômitos pro hospital e ficar lá esperando horas pra atenderem e tratarem o indigente (leia-se recomendar que ele bebesse bastante água; valeu Doutora, fez valer seu diploma). Com tanto tempo livre pra me divertir zanzando pelo hospital, fiz esse textinho aí, e Juliano bateu essas fotos maravilhosas. Até que nos divertimos enquanto Raul agonizava na fila, podre e desidratado.


COMO SEDUZIR NO AMBIENTE HOSPITALAR (parte I)
"Uma das lições aprendidas na viagem à BH foi que para arrasar corações você precisa de um bom plano. E tudo começa, é claro, com a escolha de um local propício para a caçada amorosa. Depois de muito pesquisar, nosso conquistador profissional, Daniel, que já teve em sua vida relações íntimas com quase 4 mulheres, chegou à conclusão de que o hospital de Belo Horizonte era o point da azaração, já que as gatinhas estariam solitárias e carentes devido aos mais variados tipos de doenças das quais sofriam. Precavido, nosso herói levou um exame falso para circular livremente pelo local."

domingo, 26 de abril de 2009

Adenóide

Mais uma da série "tentativas frustradas de letras em português que tiveram que ser passadas pro inglês pra evitar vexames ainda maiores". Nem sempre com sucesso.

***

ADENÓIDE

Eu cuspo quando falo
Eu falo quando durmo
Atiro quando brigo
Erro e não assumo.

Eu babo quando durmo
Acordo quando ouço
Um barulho no escuro
E durmo num segundo

Eu bebo quando saio
Vomito quando bebo
Levanto quando caio
Caio de novo e não percebo

Eu guardo e cultivo
Os rancores mais antigos
E despejo nos inimigos
Corpos frágeis como vidro

Eu tremo quando acordo
Eu quebro rotinas e copos
Eu acordo quando tremo
Vidas frágeis como corpos

Eu como o que cai no chão
Eu adoro dizer não
Eu gosto mais de mim
Do que dos meus irmãos

Eu cuspo no prato que como
Eu mordo e não assopro
Eu durmo e acordo com sono
Eu anulo o meu voto

Eu cuspo quando falo
Porque estou sempre certo
Eu quebro tudo o que é caro
E o meu destino reto
Eu me protejo e me calo
Porque tenho o corpo aberto.
A vingança vem a cavalo
Eu estou sempre certo.

sábado, 25 de abril de 2009

Boca Ácida, Língua Azeda

Sempre que o Ócio fazia um bom show no Brasil, depois alguém vinha tirar de mim esses raros momentos de felicidade perguntando por que a gente não cantava em português. Tinha me livrado dessa maldição quando nos mudamos pra Londres, até que um dia um brasileiro depois de um show veio dizer que seria foda, super exótico, se a gente cantasse em português.

Mas a verdade é que eu até tentei (não muito) no começo, mas simplesmente nunca consegui escrever uma letra em português que não soasse horrível quando musicada. Horrível mesmo, daquelas de dar vontade de vomitar em si mesmo.

Uma banda no Brasil me pediu pra escrever uma letra, em português, e eu fiz duas versões. Eles decidiram não usar, o que foi uma decisão sábia, mas eu a transformei em duas letras que usei com o Ócio: "Acid Tongue/Bitter Lips", que já estamos tocando nos shows e vai entrar no próximo disco, e é a música que eu mais gosto, e "Who's My Dad? (I Don't Give a Damn)", que estamos só ensaiando, mas não vai ser gravada pra esse disco próximo agora.

Então taí uma das versões em português.

Ah, outra coisa que me dá vontade de vomitar é ameixa.

Que cheiro nojento. Nem sei como é o gosto, nem quero saber. Nunca comeria nada que cheira daquele jeito. Nem sorvete de ameixa, torta de ameixa, enfim... sorvete e bolo tem que ser de chocolate. Se vai comer doce, come direito. "Milk shake de morango"... putz, não dá pra entender. É tipo ver futebol feminino. Em teoria é o mesmo esporte, com a pequena diferença de que é uma merda.

BOCA ÁCIDA / LÍNGUA AZEDA

"Se vai sujar, suja

Fui encontrado no meio do lixo
Em uma mala de couro sintético
Vai chover areia
Vai chover areia

Perdi a linha do raciocínio
E você fingindo que tava me ouvindo
Mas que coisa feia
Vai chover areia

A minha risada falsa
O meu amor patético
Os meus lamentos sem fim:
“O que você acha de mim?”

A minha cova bem rasa
O meu corpo esquelético
Melhor que nem diga nada
Do meu abrigo fétido

Quem é que vai roer essa borda?
Regar o lixo e não o jardim?
Porque vai chover areia
Vai chover areia

Uns pra lá, outros pra cá
Não era assim que era pra estar
Fiz que sim, mas quis que não
Só pra ver você penar

Fala, mas não me encosta
Que já tá ruim assim
Pra essa discussão escrota
Eu bem já marquei o fim

O cheiro da língua azeda
Eu não posso segurar
É melhor não dizer nada
Você não vai me agüentar

Você nunca foi meu médico
Pra me falar assim
Desse seu papinho tétrico
Eu já sei bem o fim."

sexta-feira, 24 de abril de 2009

I want a little sugar in my bowl


Não posso comer açúcar. Fico tonto e às vezes perco a noção de direção e planos. Desnecessário dizer que sou viciado (no bom sentido da palavra) em... açúcar. Deus escreve torto por linhas tortas.

Mas até para meus parâmetros cheguei a um ponto preocupante essa semana, quando resolvi colocar UM POUQUINHO de açúcar no meu copo de Pepsi (comum), só pra ver como ficava. E ficou muito bom! Taí a dica, então. Melhor que Pepsi Twist, com certeza. Por sinal, que lixo a Pepsi Twist, por que lançam essas merdas? Por que não lançam logo a Pepsi Extra Sugar? Por que ninguém me consulta?

quinta-feira, 23 de abril de 2009

World's Most Dangerous Nerd Blogger

Meu nome não é Olga. Meu nome é Daniel Furlan. Edito a revista Quase e não consigo digerir leite. Tenho uma banda chamada Ócio, miopia, astigmatismo, hipoglicemia e narcolepsia. Minhas enxaquecas doem de um lado só da cabeça, graças a Deus.
Costumava ter moral, bom senso, culpa e sentir pena. Hoje sinto dormências no braço direito e frio repentino nas duas mãos. Meus dedos da mão esquerda não funcionam bem, acho. Meu intestino preso, dores lombares e labirintite não falham. Mas meu caráter e personalidade não são essas maravilhas. Se Jesus voltasse, não sei se Ele me curtiria. Mas meu rancor é eterno e meu egoísmo é sincero. Persistência e sinceridade são virtudes.
Tenho uma namorada, um par de instrumentos musicais, uma hérnia muscular, alguns livros e uma grande variedade de alergias. Na melhor das hipóteses, sou ranzinza, epilético e preconceituoso, e mal posso esperar pra ser seu amiguinho de blog!*
*Não me comprometo a ser realmente seu amigo fora do mundo dos blogs. Você, ao tornar-se meu amigo nessa rede de relações, não tem o direito de exigir que eu demonstre me importar com você, te busque na rodoviária ou mesmo te cumprimente na rua. Ao tornar-se meu amigo em termos de blog, e apenas em termos de blog, você está automaticamente aceitando essas condições.